Especialistas e pais comentam aspectos da alienação parental na Assembleia

A relação entre pais e filhos – vítimas da alienação parental – gerou pronunciamentos que revelam um desafio para a sociedade: como conviver com a alienação parental.  O tema da campanha institucional da Assembleia Legislativa levou centenas de pessoas ao debate nesta sexta (16).

Um deles foi o arquiteto Henrique Xavier que – em um discurso emocionado sobre a experiência de alienação parental. Representando os que passam pela questão da alienação parental, o pai contou que é divorciado há 8 anos e a pelo menos 7 anos é proibido pela ex-esposa de visitar o filho. “Tive meu direito de visita dado pela justiça, mas minha ex-cônjuge vem descumprindo desde então. Perdi de acompanhar a infância do meu filho por causa de processos que se arrastam e não são julgados, isso é lamentável”, desabafou.

Henrique explicou que à época do divórcio a criança tinha 4 anos e agora está com 12 e, na presença de todos os ouvintes da audiência pública, afirmou que a criança tem trauma do assunto pai. “Ele me ama, mas segue as diretrizes de quem tem a guarda”. Seguiu fazendo um alerta às pessoas que hoje passam por uma situação semelhante, de que os pais devem ter maturidade suficiente para saber ‘aparar as arestas’ das incompatibilidades, já que elas podem existir e são comuns entre pessoas que começam a conviver e viram pais de uma criança. “Mas, é preciso entender que a criança é a pessoa nesse meio mais importante que devemos preservar”, destacou.

Proposta pelo presidente da Assembleia, Ezequiel Ferreira (PSDB), a audiência contou com à participação de membros do judiciário, executivo e associações que atuam no tema.

Edu Ferret, do Instituto Conviver, destacou as questões emocionais. “Toda vez que uma criança passa por uma condição desnecessária de escolher a quem amar, e me refiro a pessoas do convívio dela, da sua família, do seu meio, mesmo que veladamente, o mundo de alguma forma perde um grande potencial dessa criança fazer algo positivo. Eu digo isso não só para ela, mas para a humanidade. Falo isso por muitos que estão presentes aqui, que acreditam que uma única pessoa consiga fazer a diferença na vida de muitos. Quando nos engajamos em algo, é porque sabemos que aquilo que é importante para mim pode ser passado para outros”.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) enquadra os efeitos da alienação como doenças. Entre eles a depressão, automutilação e até o extremo do suicídio.

A psicóloga Kátia Bezerra também quis contribuir com o debate. “Gostaria de dar contribuições, já que tenho experiência como mediadora do Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejusc) e como psicologia clínica. Um aspecto importante a ser destacado aqui é a capacitação dos profissionais, da saúde, psicólogos, das escolas. As pessoas não sabem do que se trata a alienação parental. Elas recebem e compram a ideia do conflito como algo principal e em vez de alimentarmos uma cultura de paz, acabamos estimulando, mesmo sem querer. O conhecimento nos dá a oportunidade de fazermos algo diferente. Precisamos refletir sobre uma construção de uma cultura de paz”, indicou. A participante mencionou também um projeto de inciativa do Cejusc no Tribunal de Justiça, o “Entre pais”. Segundo ela, é um espaço exclusivamente para pais. O pai vai no site do Tribunal de Justiça, se inscreve e participa de encontros da equipe com outros pais. As inscrições vão abrir no final de setembro.

O legislativo municipal também participou da audiência que contou com à participação do presidente Paulinho Freire (?) e do vereador Robson Carvalho (?). Paulinho ressaltou a importância do tema e colocou a Câmara à disposição para exibir o material de conscientização. O vereador Robson afirmou que a demanda em seu gabinete sobre o tema o fez elaborar uma lei que capacita profissionais de educação e saúde.

Os questionamentos jurídicos sobre guarda compartilhada, tramitação dos processos e resultados na sociedade também foram compartilhados por servidores do judiciário. A psicóloga Gizana Clara abordou o aspecto das vias judiciais relacionadas ao tema da alienação parental, já que a justiça em alguns casos é ferramenta de alienação por parte das famílias, seja pela Lei Maria da Penha, pela aplicação de medida protetiva, de suspeita de abuso, por isso ela questionou o que pode ser feito para amenizar esses danos.

A perita judicial Danuza Bezerra mencionou o quanto o tema abordado é oportuno e optou por frisar o aspecto que ela chamou de autoalienação e que também considera muito importante ser falado. Trata-se do fato de alguém que se nega a cuidar e delega a tarefa a uma outra pessoa, alienando a criança ou adolescente para que ela se sinta melhor cuidada pelo outro. A participante também pediu que a voz da vítima fosse ouvida. “Pensem uma forma de ouvir a criança e o adolescente. É possível. Eles não sabem como usar esse direito. Se os pais não brigarem por isso em juízo, eles nãos sabem como chegar às autoridades sozinhos”, disse. Já no tocante à escola, a perita observou que a instituição tanto pode dar uma grande contribuição em relação a perceber a alienação, quanto pode ser agente fortalecedor da alienação. Então contou um caso específico onde a escola, no dia dos pais, proporcionou uma carta com muitos elogios ao genitor. Ele, por sua vez, usou essa carta favorável no processo em que era parte.

O último a falar, em um discurso emocionado sobre a experiência dele envolvido em uma situação de alienação parental, foi o arquiteto Henrique Xavier. Representando todos os familiares que passam pelo problema da alienação parental, ele contou que é divorciado há 8 anos e a pelo menos 7 anos é proibido pela ex-esposa de visitar o filho. “Tive meu direito de visita dado pela justiça, mas minha ex-cônjuge vem descumprindo desde então. Perdi de acompanhar a infância do meu filho por causa de processos que se arrastam e não são julgados, isso é lamentável”, desabafou.

O pai explicou que à época do divórcio a criança se encontrava com 4 anos de idade e agora está com 12 anos e, na presença de todos os ouvintes da audiência pública, afirmou que a criança hoje tem trauma do assunto pai. “Ele me ama, mas segue as diretrizes de quem tem a guarda”. Seguiu fazendo um alerta às pessoas que hoje passam por uma situação semelhante, de que os pais devem ter maturidade suficiente para saber ‘aparar as arestas’ das incompatibilidades, já que elas podem existir e são comuns entre pessoas que começam a conviver e viram pais de uma criança. “Mas, é preciso entender que a criança é a pessoa nesse meio mais importante que devemos preservar”, destacou.

Pais relatam experiências de alienação parental em debate na AL

A Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte lançou, na manhã desta sexta-feira (16), mais uma campanha institucional, intitulada “Alienação parental: os mais prejudicados são os filhos”. O debate contou com o engajamento não apenas de especialistas e autoridades, mas também de pessoas que vivenciaram a situação. Foi o caso do arquiteto Henrique Xavier, que relatou de forma esclarecedora a experiência de falta de contato com o filho desde o divórcio, contribuindo para a conscientização da sociedade acerca do tema.

Num discurso emocionante, Henrique Xavier contou que, logo após a separação da sua ex-esposa, com a qual tem um filho de 12 anos, não consegue visitar o garoto regularmente, porque ela não permite muito contato entre eles. À época, o menino tinha apenas quatro anos.

“Eu me divorciei há oito anos e, desde então, eu não consigo ter contato próximo com o meu filho. O mais absurdo é que eu tive meu direito de visita reconhecido pela Justiça, mas minha ex-companheira descumpre a ordem judicial. Isso é lamentável, dói muito. Eu simplesmente perdi a infância do meu filho”, revelou.

O arquiteto disse que seu filho “tem trauma quando o assunto é o pai”. “Eu sei que ele me ama, mas infelizmente ele segue as diretrizes de quem tem a guarda, que é a mãe”, lamentou.

Henrique Xavier fez ainda um alerta sobre o assunto. “Nós, enquanto pais, devemos ter maturidade suficiente para aparar essas arestas das incompatibilidades com nossos ex-cônjuges. A gente tem que entender que, em meio aos conflitos, a criança é o ser humano mais importante, é quem mais devemos ter o cuidado de preservar”, aconselhou.

Ao final do seu discurso, o arquiteto destacou que a escola do filho não conta com setor psicológico para solucionar questões relacionadas à alienação e suas consequências à saúde psíquica das crianças e adolescentes, o que, segundo ele, “é inadmissível”.

O depoimento de Henrique Xavier demonstrou que a alienação parental é mais comum do que se imagina, bem como revelou a importância de se discutir o tema perante toda a sociedade, de forma estratégica e responsável.

RN tem chuvas 17,9% abaixo da média histórica em julho

chuvaforte-opovoA Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn) divulgou nesta sexta-feira (16) a análise das chuvas ocorridas ao longo do mês de julho. Segundo a Unidade Instrumental de Meteorologia da Emparn, no estado como um todo, eram esperados valores acumulados próximos de 78,2 milímetros, mas chuva observada foi de 60,3 mm. A redução de chuvas no interior foi observada tanto no interior, quanto na faixa leste, e ficou 17,9% abaixo da média esperada para o mês de julho.

“Quando se analisa os índices pluviométricos observados em julho de 2019, observou-se que em praticamente todas as regiões do RN os desvios foram negativos ou próximo disso, isto é, choveu menos do que o normal. Os maiores desvios negativos ocorreram nas Mesorregiões Oeste e Leste, e no Estado como um todo o desvio ficou em -17,9 % abaixo do normal”, explicou o chefe da Unidade, o meteorologista Gilmar Bristot.

Quadrilha é presa em Pernambuco com carga de produtos eletrônicos roubada no RN

caminhaoQuatro homens suspeitos de terem roubado uma carga de produtos eletrônicos foram presos na noite desta quinta-feira (15) em Itapissuma, na região Metropolitana do Recife. Segundo a Polícia Rodoviária Federal, a mercadoria estava sendo transportada em um caminhão-baú, que foi interceptado pela quadrilha quando passava pela BR-304, no município de Caiçara do Rio do Vento, na região Central potiguar.

O caminhão transportava TVs, celulares, videogames e brinquedos, e foi trancado por três carros na altura do km 222. Rendido, o motorista foi obrigado a sair da rodovia e forçado a entrar em uma estrada de terra. Lá, os assaltantes abriram o caminhão e retiraram apenas os celulares.

Depois que os criminosos fugiram, o caminhoneiro retornou para o asfalto e pediu socorro. Mais tarde, ainda de acordo com a PRF, dois dos três veículos usados no assalto foram localizados em Itapissuma, onde quatro homens foram presos e parte dos aparelhos roubados recuperada.

IBGE aponta que Rio Grande do Norte tem taxa de desemprego de 12,5%

No Rio Grande do Norte a taxa de desocupação foi de 12,5% no trimestre de abril a junho de 2019. É o que aponta a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD) divulgada pelo IBGE. A taxa de desocupação, percentual de pessoas desocupadas em relação às pessoas na força de trabalho, apresentou estabilidade frente ao trimestre anterior (janeiro a março de 2019), assim como em relação ao mesmo trimestre do ano anterior (abril a junho de 2018).

A diferença da taxa de desocupação relativa ao trimestre anterior foi de -1,3%, uma variação pequena que aponta para estabilidade da taxa. Em comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, apresentou diferença de -0,6%. Em números absolutos, a PNAD Contínua estima que havia 191 mil desocupados no último trimestre.

Polícias Civil e Militar deflagram operação e prendem duas pessoas em Jardim de Piranhas

abd94baa-a0df-4bb8-8ab4-4515d7a5cf50Policiais das Delegacias Municipais de Caicó e Jardim de Piranhas, em ação conjunta com a Polícia Militar (GTO e RP) e a Delegacia Especializada de Atendimento ao Adolescente Infrator (DEA) de Caicó, deflagraram, na tarde desta quinta-feira (15), operação objetivando o cumprimento de mandados de busca e apreensão, na cidade de Jardim de Piranhas. A ação, voltada ao combate do tráfico de drogas, resultou na prisão de Cláudio Alves de Azevedo, conhecido como “Batatinha”, de 38 anos, e Josenilson Fernandes Dias, conhecido como “Chico Show”, 26 anos.

No imóvel onde os suspeitos estavam, foi apreendida uma considerável quantidade de maconha, “crack” e cocaína, além de dinheiro fracionado. Ainda durante as diligências, em uma residência abandonada, foram encontradas mais porções de maconha e “crack”, três balanças de precisão e apetrechos utilizados no tráfico de drogas.

Em um terceiro imóvel, foi apreendida uma arma de fogo pertencente a Josenilson Fernandes e uma pequena porção de cocaína. Segundo as investigações, essa arma seria utilizada por integrantes de uma facção criminosa que atua na região.

Ambos foram autuados em flagrante pelos crimes de associação para o tráfico de drogas e tráfico de drogas. Além disso, Josenilson Fernandes foi autuado pela posse ilegal de arma de fogo. Eles foram conduzidos até a delegacia e encaminhados ao sistema prisional, onde ficarão à disposição da justiça.

A Polícia Civil pede que a população continue enviando informações de forma anônima através do Disque Denúncia 181 ou pelo whatsapp 84 9 8602-0324.

Corrida Conexões IFRN será realizada em Caicó

IFRN Campus CaicóA Corrida Conexões IFRN é a primeira corrida promovida pelo Campus Caicó do IFRN, no dia 28 de setembro, com o objetivo de comemorar os 10 anos do Instituto no município. Trata-se de uma corrida de rua casual, que além de promover o bem-estar, a integração e o encontro de servidores, terceirizados, alunos, suas famílias e do público em geral, visa incentivar e estimular um estilo de vida mais ativo e saudável através da prática do atletismo.

A concentração e o aquecimento serão realizados no Instituto a partir das 16h e a largada será às 16h30min com destino a Ilha de Sant’Ana. Haverá medalha de participação para todos os que completarem a prova.

Alunos do IFRN Campus Caicó terão sua inscrição gratuita e os demais participantes contribuirão com a taxa de R$ 20,00 (vinte reais) para ajuda nos custos totais do evento. Além disso, a organização conta com a doação de 1kg de alimento não perecível na retirada do Kit Atleta, para posterior entrega a instituição de assistência do município.

Polícia Civil apreende adolescente envolvido em homicídio em Caicó

Equipes de policiais civis da 3ª Delegacia Regional de Polícia (DRP) de Caicó, da Delegacia Municipal de Caicó e da Delegacia Especializada de Atendimento ao Adolescente Infrator (DEA) de Caicó, apreenderam, nesta sexta-feira (16), um adolescente de 15 anos. A apreensão se deu na cidade de Caicó, referente à participação em um homicídio.

De acordo com investigações, o homicídio, que vitimou Paulo José dos Santos, conhecido como “Paulo Golinha”, ocorreu no bairro Alto da Boa Vista, em julho deste ano. A motivação estaria relacionada a uma ordem de uma facção criminosa. O principal suspeito de ter cometido o homicídio, Ítalo de Sousa, já foi preso. A Polícia Civil pede que a população continue enviando informações de forma anônima através do Disque Denúncia 181 ou pelo whatsapp 84 9 8602-0324.

Ampliação da adutora da Região Agreste será tema de audiência pública

Em busca de soluções para reduzir a falta de recursos hídricos na Região Agreste do Estado, a Assembleia Legislativa vai realizar audiência pública, por proposição do deputado Kleber Rodrigues (Avante), na próxima segunda-Feira (19), as 10h, na Câmara Municipal de Nova Cruz.

O evento tem como finalidade sensibilizar o Governo do Estado para que realize estudos e debates que visem soluções viáveis acerca da necessidade da ampliação da adutora da Região Agreste. De acordo com o propositor da audiência, apesar das ações governamentais conseguirem manter o atendimento básico para a população, é preciso consolidar a infraestrutura física de gestão para que seja assegurado o acesso a água de qualidade.

“A elevada demanda de recursos hídricos vem exigindo dos sistemas de gerenciamento mais eficiência e respostas rápidas, especialmente em localidades com alta variabilidade e escassez hídrica. Dentro de um cenário de baixa disponibilidade de recursos hídricos, o Rio Grande do Norte precisa buscar constantemente soluções para mitigar dificuldades relacionadas a captação e distribuição de água, “ justificou Kleber Rodrigues.

Considerando que as ações do Estado relacionadas a abastecimento d´água têm se concentrado na construção de barragens, adutoras, perfuração de poços e instalação de dessalinizadores como forma de minimizar os efeitos da seca, uma das questões a serem apresentadas na audiência será a implantação de um sistema adutor integrado nos municípios de Pedro Velho, Montanhas, Nova Cruz, Santo Antônio e Serrinha.

Especialistas alertam para efeitos da alienação parental em crianças e adolescentes

Depressão, automutilação, baixa autoestima, transtorno de ansiedade, crises de pânico, uso excessivo de drogas e álcool. Essas e outras consequências são comuns quando a separação dos pais, um processo geralmente doloroso para todas as partes, vem acompanhada de algo ainda mais grave e, infelizmente, bastante comum em nossos dias: a alienação parental, tema debatido nesta sexta-feira (16), em audiência pública pela Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, numa iniciativa do presidente da Casa, deputado Ezequiel Ferreira (PSDB), que marcou também o lançamento da campanha publicitária sobre o tema.

Especialistas de diversas áreas: Psicologia, Direito, Assistência Social, entre outras, foram convidados a debater essa interferência na formação psicológica da criança ou adolescente, que é provocada por um dos pais ou parentes que os tenham sob sua guarda. O problema já afeta, no mundo, mais de 20 milhões de crianças e adolescentes. No Estado, 80% das vítimas são atingidas pela depressão e até suicídio.

“Entrarmos neste debate parece algo simbólico, mas não é. Teremos efetiva participação neste tema, assim como outras campanhas que já realizamos nesta Casa Legislativa em todos os âmbitos. Não ficaremos apenas restritos a uma data no calendário oficial, vamos criar aqui na Assembleia Legislativa, de forma pioneira, uma estrutura de apoio às famílias”, afirmou o presidente Ezequiel Ferreira, que anunciou, em primeira mão, a formação de uma equipe multidicisplinar, composta por psicólogos, advogados e assistentes sociais para acolher e encaminhar a população que precisa de esclarecimentos sobre o tema, contribuindo para a conciliação e mediação de conflitos.

Durante o evento, foi apresentado um conjunto de ações e projetos de leis – como a Campanha Estadual Permanente de Conscientização e o Dia Estadual de Conscientização da Alienação Parental, instituído como o dia 25 de abril.  “As pautas mais urgentes da sociedade tornaram-se uma filosofia da nossa atuação na Assembleia e nosso principal objetivo é chamar a atenção da população para um tema executado diariamente, mas pouco conhecido em sua denominação pela falta de informação ou pelos paradigmas construídos”, disse.

Os especialistas e autoridades convidados para a audiência pública enalteceram a iniciativa do Legislativo do RN. Juíza da Vara da família, Fátima Soares afirmou que a campanha vai criar um alerta e contribuir para o registro dos casos, pois ainda há uma lacuna devido à falta de conhecimento dos direitos: “Nos deparamos constantemente com esse problema e precisamos de políticas públicas, com esta audiência. Na alienação parental a criança perde a oportunidade de uma convivência harmoniosa e pacífica. O direito à felicidade e de uma convivência familiar harmoniosa faz parte da nossa dignidade”, disse.

Suetônio Lira, do Instituto Brasileiro da Família (IBDFAM RN) afirmou que muitas vezes os pais não tem a consciência do mal que fazem ao praticar a alienação parental. “Me deixa muito feliz esse tema, que precisa ser mais conhecido, esteja sendo aqui debatido, pois às vezes os ex-cônjuges não conseguem distinguir o fim da relação”, disse.

O presidente da Associação Criança Feliz, Maurício Carrilho, alertou que muitas vezes os casos de alienação parental ficam encobertos. “Precisamos que o Ministério Público fique atento e determine prazo para perícia técnica, para diagnosticar o mais rápido possível esses casos”, disse.

A psicóloga Lyssa Dantas, da Assembleia Legislativa, afirmou que o tema está sendo levantado para desmitificar e evitar tantas consequências negativas. “São gerados muitos traumas e a gente precisa criar novas perspectivas de vida. Temos que evitar a automutilação, suicídio e tantas outras sequelas que ficam irreversíveis”, afirmou.

Secretária Municipal de Assistência Social, Andréa Dias disse que o tema diz respeito a toda a rede responsável pelas crianças e adolescentes, “o elo mais frágil na sociedade”. A secretária afirmou que recentemente a prefeitura assinou um termo de cooperação técnica com Ministério Público, Tribunal de Justiça e UFRN para garantir a incorporação da justiça reparativa e suas práticas nas políticas públicas. No início das discussões o publicitário Alexandre Macedo, da Base Propaganda, explicou o conceito da campanha, que já está na mídia.