Hospitais particulares de Natal têm aumento de internações por Covid-19

O Rio Grande do Norte manteve nesta semana uma tendência de crescimento no número de internações por Covid-19 no estado. O aumento mais acentuado se dá, principalmente, nos leitos críticos das unidades particulares. Em Natal, alguns hospitais já começam a ter um nível de ocupação de 100% ou próximo disso.

O Hospital Rio Grande é um deles. Desde setembro, com a diminuição de casos graves, a unidade reduziu de 47 leitos críticos de Covid-19 para 21, sendo 10 de UTI e 11 de semi intensivos. Atualmente, todos eles estão ocupados. Também na capital potiguar, o Hospital do Coração é outro que tem ocupação quase total nos leitos críticos. Atualmente, são 14 leitos destinados para Covid-19 na unidade e 12 deles já estão ocupados. Durante o período mais crítico da pandemia, eram 56 leitos críticos disponíveis.

Desde o dia 11 de novembro, o número de internados no estado tem aumentado. A rede privada, que chegou a ter 13 pacientes em leitos críticos no mês de outubro, já registra 60, segundo o boletim epidemiológico da Secretaria do Estado da Saúde Pública (Sesap) de segunda-feira (23).

Taxa de transmissão da Covid-19 no Brasil é a maior desde maio, aponta estudo

coronavírusA taxa de transmissão (Rt) do novo coronavírus (Sars-CoV-2) para esta semana no Brasil é a maior desde maio, apontam dados do Imperial College de Londres, no Reino Unido. A atualização da estimativa foi divulgada nesta terça-feira (24) e se refere à semana que começou na segunda (23).

O relatório mostra que o índice está em 1,30. Isso significa que cada 100 pessoas contaminadas transmitem o vírus para outras 130 pessoas. Pela margem de erro das estatísticas, essa taxa pode ser maior (Rt de até 1,45) ou menor (Rt de 0,86). Nesses cenários, cada 100 pessoas com o vírus infectariam outras 145 ou 86, respectivamente.

A última vez que a taxa de transmissão no Brasil esteve tão alta foi na semana de 24 de maio, quando atingiu 1,31, segundo dados levantados pelo G1. O valor máximo possível naquela data, considerando a margem de erro, foi de 1,34.

Ministério da Saúde lança campanha de combate ao Aedes aegypti

DENGUEO Ministério da Saúde lançou nesta terça-feira (24) a Campanha de Combate ao Mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya, doenças que podem gerar outras como a microcefalia e a síndrome de Guillain-Barré. De acordo com o último boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, de janeiro até setembro deste ano, foram notificados 928.282 casos prováveis (taxa de incidência de 441,7 casos por 100 mil habitantes) de dengue no Brasil.

Os sintomas das doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti podem ser confundidos com outras mais comuns, como gripes e resfriados. Por isso, é importante estar em alerta e, em caso de sintomas, procurar um serviço de saúde para diagnóstico e tratamento adequados. No verão, com as chuvas, aumenta a proliferação do mosquito, que se reproduz em água limpa e parada.

OMS diz que ‘aposta mais segura’ é renunciar às festas de Natal e Ano Novo

ano novoA Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou nesta segunda-feira, 23, que a “aposta mais segura” para algumas famílias será não realizar reuniões familiares neste Natal e Ano Novo para impedir a disseminação do coronavírus. Festas de Ano Novo, com aglomeração, também não são recomendadas.

Na semana passada, o Brasil chegou a mais de 6 milhões de casos de infecção por coronavírus e países da Europa vivem uma segunda onda. O anúncio foi feito no mesmo dia em que a OMS saudou os esforços da Universidade de Oxford e do laboratório AstraZeneca “para tornar a vacina acessível e fácil de armazenar”.

Em uma reunião virtual em Genebra, a líder técnica da OMS, Maria Van Kerkhove, para a covid-19 disse que “em algumas situações, a difícil decisão de não ter uma reunião familiar é a aposta mais segura”. Mais cedo, a cientista-chefe da organização Soumya Swaminathan afirmou que as notícias sobre os resultados da vacina para covid-19 da Universidade de Oxford e do laboratório britânico AstraZeneca são “encorajadoras e esperamos ver os dados, como fazemos com outros resultados promissores das últimas semanas”.

Fiocruz prevê fabricar vacina para 130 milhões de brasileiros em 2021

Covid-19: Fiocruz amplia capacidade nacional de testagemO vice-presidente de produção e inovação em saúde da Fiocruz, Marco Krieger, disse nesta segunda (23), em entrevista à GloboNews, que a previsão da fundação é vacinar 65 milhões de pessoas no primeiro semestre de 2021 e outras 65 milhões no segundo, considerando o esquema vacinal de maior eficácia divulgado pela Universidade de Oxford.

A Fiocruz tem um acordo de transferência de tecnologia com a AstraZeneca, farmacêutica que desenvolve uma vacina em parceria com a Universidade de Oxford, para a produção das vacinas em solo brasileiro.

A vacina da AstraZeneca/Oxford mostrou eficácia de até 90% conforme a dosagem, segundo resultados preliminares divulgados nesta segunda-feira. Os dados ainda não foram revisados por outros cientistas nem publicados em revista científica.

Estudo da CoronaVac atinge número mínimo de voluntários infectados pela Covid-19 e entra na fase final

VACINA CORONAVÍRUSO estudo da fase 3 da CoronaVac, vacina produzida por laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, atingiu o número mínimo de infectados pela Covid-19 necessário para o inicio de sua fase final. A nova etapa permite a abertura do estudo e a análise interina dos resultados do imunizante. O anúncio foi feito durante uma coletiva de imprensa nesta segunda-feira (23).

“A boa notícia, e o motivo por qual estamos aqui no Instituto Butantan, é que o Instituto Butantan detalha a fase final para a aprovação da CoronaVac tendo atingido o número mínimo de infectados e isso é a possibilidade de permitir a abertura do estudo clínico e a análise destes resultados”, disse o secretário estadual da saúde, Jean Gorinchteyn.

Secretaria Estadual de Saúde do RN emite recomendações para eventos de fim de ano

A Secretaria Estadual de Saúde Pública do Rio Grande do Norte (Sesap) lançou uma nota técnica com recomendações gerais para a população, organizadores de eventos e municípios em relação aos eventos de fim de ano. O documento traz medidas que devem ser tomadas no sentido de manter os protocolos e recomendações sanitárias para enfrentamento à Covid-19.

A nota recomenda, dentre outras coisas, que organizadores de eventos coletem dados de participantes, organizadores, trabalhadores de contratação direta e qualquer funcionário de empresas contratadas e que garantam o espaçamento mínimo de 1,5 metros entre indivíduos. Além dos cuidados já conhecidos da população, como uso de máscaras (com troca a cada 3 horas ou quando estiver úmida) e higienização frequente das mãos, a Sesap recomenda ainda:

  • Dar preferência aos eventos virtuais. Em caso de realização de eventos presenciais preferir ambientes abertos com renovação de ar e evitar participar de brincadeiras que exijam o contato direto com as pessoas como beijos, abraços e apertos de mãos;
  • Nas compras de Natal e fim de ano, dar preferência ao comércio virtual com entregas por delivery, contribuindo para evitar aglomerações e maior fluxo de pessoas nas ruas e centros comerciais;
  • Pessoas com sinais ou sintomas de síndromes gripais (coriza, tosse seca, dor de garganta), mialgia, diarreia, cefaleia, perda parcial ou total de olfato ou paladar, entre outros, evitem comparecer em espaços públicos, até que sejam sanados os sintomas e tenha melhora da sua condição de saúde, devendo procurar atendimento médico para receber as corretas orientações;
  • Evitar viagens para locais com tendência a grandes aglomerados de pessoas no período de Natal e Ano Novo, como no caso do litoral.

Vacina de Oxford contra Covid-19 tem eficácia média de 70%, diz laboratório

VACINAA vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca mostrou eficácia média de 70% conforme a dosagem, segundo resultados preliminares divulgados nesta segunda-feira (23). Comunicado da AstraZeneca afirma que a vacina foi 90% eficaz na prevenção à Covid-19 quando administrada em meia dose seguida de uma dose completa com intervalo de pelo menos um mês, de acordo com dados de ensaios em estágio final no Reino Unido e no Brasil.

Outro regime de dosagem mostrou 62% de eficácia quando administrado em duas doses completas com pelo menos um mês de intervalo. A análise combinada dos das duas formas de dosagem resulta em uma eficácia média de 70%, segundo a AstraZeneca.

O CEO da AstraZeneca, Pascal Soriot, afirmou que uma dose menor na primeira aplicação da vacina significa que mais pessoas podem ser vacinadas mais rapidamente. “Poder vacinar mais pessoas mais rapidamente é realmente uma grande vantagem”.

A farmacêutica anunciou que terá 200 milhões de doses da sua candidata a vacina prontas até o fim do ano e 700 milhões de doses até o fim do primeiro trimestre de 2021 em todo o mundo, afirmou o chefe de operações da AstraZeneca, Pam Cheng. Para o Reino Unido, serão 20 milhões de doses neste ano e 70 milhões até o primeiro trimestre.

Pfizer pede autorização a agência dos EUA para uso emergencial de vacina contra a Covid-19

vacinaA Pfizer anunciou que pediu nesta sexta-feira (20) para a FDA, agência reguladora dos Estados Unidos, uma autorização de uso de emergência para sua vacina contra Covid-19 no país.

“É com muito orgulho e alegria, e até um pouco de alívio, que posso anunciar que nosso pedido para a autorização do uso emergencial da nossa vacina contra a Covid-19 está nas mãos do FDA agora”, disse Albert Bourla, CEO da Pfizer.

As ações da Pfizer subiram 2% e as da BioNTech 5% após a notícia de que a vacina pode estar disponível em breve, o que criou a esperança de um fim da pandemia que já matou mais de 250 mil vidas nos EUA e mais de 1,3 milhão em todo o mundo. A vacina da Pfizer também está sendo avaliada há semanas por União Europeia, Austrália, Canadá, Japão e Reino Unido.

Produzida na China, vacina Coronavac chega amanhã em São Paulo

VACINA CORONAVÍRUSAs primeiras 120 mil doses da vacina Coronavac, produzidas pelo laboratório chinês Sinovac, desembarcam na manhã desta quinta-feira (19) no Aeroporto Internacional de Guarulhos, um dia antes da data prevista pelo governo de São Paulo. Segundo o Instituto Butantan, a carga especial saiu da China na segunda-feira (16) e deve chegar a São Paulo nesta quinta-feira por volta das 9h. Após desembaraço aduaneiro, o material será transportado até o Instituto em um caminhão que receberá escolta especial.

As 120 mil doses já estão prontas para uso assim que o imunizante for registrado e autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O lote faz parte da carga de 6 milhões de doses que o governo de São Paulo comprou do laboratório chinês e ficará armazenado em local não informado por questões de segurança.

Na próxima semana, outra remessa da China é aguardada: com 600 litros de insumos da vacina que serão formulados e envazados no Butantan. Tanto as vacinas já prontas quanto a matéria-prima para a formulação das novas doses precisam ser transportadas refrigeradas entre 2 e 8 graus – a mesma temperatura em que é mantida a vacina da gripe, por exemplo. O insumo é líquido e vem armazenado em bolsas de 200 litros, dentro de contêineres nas aeronaves.