Impeachment de Trump: Câmara envia o processo ao Senado

trumpO líder da agora maioria democrata no Senado dos Estados Unidos, Chuck Schumer, disse nesta sexta-feira (22) que a Câmara entregará o processo de impeachment do ex-presidente Donald Trump, por incitar uma insurreição, na próxima segunda-feira (25).

Com isso, terá início o julgamento que pode impedir com que Trump tente assumir o cargo novamente. Na semana passada, a Câmara dos Deputados aprovou o processo de impeachment, mas ele ainda tem que ser levado ao Senado, onde será julgado. “O Senado conduzirá o julgamento do impeachment de Donald Trump”, disse Schumer em um pronunciamento no plenário. “Será um julgamento completo. Será um julgamento justo.”

‘Voltaremos de alguma forma’, diz Donald Trump, após deixar a Casa Branca

trumpDonald Trump fez sua última aparição em Washington DC como presidente nesta quarta-feira (20), horas antes de Joe Biden prestar juramento como o novo líder dos Estados Unidos. “Voltaremos de alguma forma”, ele afirmou em um discurso feito na pista de aviação, pouco antes de partir para a Flórida, onde ficará em seu resort em Mar-a-Lago. Trump não quis participar da posse, como é tradicional na transição de poder.

Ao deixar a Casa Branca, Trump falou rapidamente com repórteres que o aguardavam do lado de fora do edifício. Ele agradeceu, disse que foi uma honra ter sido presidente e se despediu, de acordo com jornalistas que estavam lá. Em seguida, Trump entrou em um helicóptero que o levou para a Base Andrews, uma pista aérea da força militar no estado de Maryland, vizinho a Washington. De lá, pegou o Air Force One, o avião presidencial, para a Flórida.

Joe Biden toma posse como 46º presidente dos Estados Unidos

bidenO democrata Joe Biden, de 78 anos, tomou posse nesta quarta-feira (20) como o 46º presidente dos Estados Unidos, sucedendo o republicano Donald Trump. Ele prestou juramento diante do Capitólio dos EUA, sede do Congresso americano, e discursou em seguida. “Aprendemos novamente que a democracia é preciosa”, disse o presidente. “E agora, meus amigos, a democracia prevaleceu.”

Biden disse que os americanos têm que confrontar os movimentos extremistas no país e que a união é o único caminho possível para que os EUA possam avançar e para “restaurar a alma americana”. “Eu sei que falar de unidade pode soar para alguns como uma fantasia tola nos dias de hoje”, disse Biden. “Sei que as forças que nos dividem são profundas e reais, e também sei que não são novas.”

Papa Francisco e papa emérito Bento XVI tomam vacina contra a Covid-19

papaO Papa Francisco, de 84 anos, e o papa emérito Bento XVI, 93, foram vacinados contra a Covid-19, informou nesta quinta-feira (14) o porta-voz da Santa Sé em um comunicado. Eles receberam suas primeiras doses da vacina da Pfizer. A campanha de vacinação do Vaticano começou na quarta-feira, segundo o site da Santa Sé.

Neste momento, são priorizados profissionais da saúde e idosos moradores da cidade-estado, sede da Igreja Católica, localizada dentro de Roma. Em um segundo momento, familiares dos trabalhadores – assistidos pelo Fundo de Assistência Sanitária – poderão ser vacinados.

Governo dos EUA executa 1ª mulher em quase 70 anos

114954169-mediaitem114954168O governo federal dos Estados Unidos executou, nesta quarta-feira (13), uma mulher condenada por um crime pela primeira vez depois de quase 70 anos. Esse é um dos últimos atos do governo de Donald Trump. O presidente, um defensor da pena de morte, ignorou uma petição de clemência apresentada por apoiadores de Lisa Montgomery, de 52 anos, a condenada.

Montgomery foi morta com uma droga letal, o pentobarbital. Antes de receber a injeção no braços, ela bateu os dedos nervosamente e fechou os olhos. Ela engasgou quando a substância entrou no seu corpo –sua barriga chegou a mexer, mas ela parou rapidamente. Um funcionário com um estetoscópio entrou na sala, ouviu o coração e o pulmão de Montgomery e, à 1h31 (horário local), declarou que ela estava morta.

 

Em novo decreto, papa autoriza mais funções para mulheres na Igreja

PAPA FRANCISCOO papa Francisco, em mais um passo para ampliar as funções das mulheres na Igreja Católica Romana, alterou regras nesta segunda-feira (11) para permitir formalmente que elas atuem como leitoras em liturgias, distribuidoras de comunhão e prestem serviços no altar.

Em decreto, o papa formalizou o que já vinha acontecendo em muitos países desenvolvidos há anos. Mas, ao introduzir a mudança no Código de Direito Canônico, será impossível para os bispos conservadores impedir que as mulheres em suas dioceses tenham essas funções.

O Vaticano enfatizou, no entanto, que essas funções são “essencialmente distintas do sacerdócio ordenado”, o que significa que não devem ser vistas como um precursor automático para que mulheres possam um dia serem ordenadas no sacerdócio.

“O pontífice, portanto, estabeleceu que as mulheres podem ter acesso a essas práticas e que podem ter funções litúrgicas institucionais”, disse o Vaticano em nota explicativa. No decreto, denominado Spiritus Domini, Francisco disse que tomou a decisão após reflexão teológica.

Médico pessoal do Papa morre de Covid-19 aos 78 anos

papaMorreu neste sábado (09), aos 78 anos, o médico pessoal do papa Francisco, Fabrizio Soccorsi, por conta de complicações ligadas à covid-19. O profissional trabalhava com o Pontífice desde 2015. Segundo o portal “Vatican News”, o profissional lutava contra um câncer, por isso, estava internado no hospital Policlínico Gemelli, de Roma. No entanto, o falecimento foi causado por complicações ligadas ao coronavírus Sars-CoV-2.

Soccorsi teve uma longa carreira médica e também como professor desde 1968, trabalhando tanto no atendimento do serviço público como em áreas de pesquisa e administração de diversas instituições da capital italiana. Entre as universidades em que atuou, está a La Sapienza, uma das mais importantes do país.

Antes de ser médico pessoal de Francisco, Soccorsi trabalhou como consultor da Direção de Saúde e Higiene do Governo de Estado da Cidade do Vaticano e como perito de consulta médica da Congregação da Causa dos Santos. (ANSA).

Indonésia confirma queda de avião com 62 a bordo

Sem títuloAutoridades indonésias confirmaram a queda de um avião neste sábado (9). Um Boeing 737-500 da companhia aérea Sriwijaya Air com 62 pessoas a bordo sumiu dos radares quatro minutos após decolar de Jacarta, capital da Indonésia. O governo confirmou que enviou um navio de resgate para as operações de busca.

Segundo o site especializado FlightRadar24, o avião fazia o voo 182 e perdeu mais de 10 mil pés de altitude em menos de um minuto enquanto rumava à cidade de Pontianak, na ilha de Bornéu. Por volta das 4h40 (de Brasília; 14h40 em Jacarta), o Boeing desapareceu. A viagem duraria cerca de uma hora e 30 minutos. O ministro dos Transportes da Indonésia, Budi Karya, disse em entrevista coletiva que 62 pessoas estavam a bordo, incluindo 12 tripulantes. Outro oficial havia dito anteriormente que havia 56 passageiros e seis tripulantes.

Twitter tira conta de Trump do ar

trumpO Twitter tirou o perfil de Donald Trump do ar na noite desta sexta (8). “Após uma análise cuidadosa dos tuítes recentes do @realDonaldTrump e o contexto em torno deles, suspendemos permanentemente a conta devido ao risco de mais incitação à violência”, disse a empresa.

A página de Trump tinha quase 89 milhões de seguidores. Em um post no blog da companhia, o Twitter detalhou a decisão, dizendo que perfis de autoridades eleitas e líderes mundiais não podem estar totalmente acima das regras da plataforma e nem usá-la para incitar violência.

Usuários da rede social vinham pressionando o Twitter por medidas mais drásticas desde que um grupo de apoiadores do presidente dos Estados Unidos invadiu o Congresso, na última quarta (6), durante a reunião que certificou a vitória Joe Biden nas eleições.

O ato aconteceu de forma violenta, com vandalismo, e resultou em pelo menos 5 mortes. Durante a manifestação, incentivada por Trump em discurso prévio para apoiadores, o presidente usou as redes para elogiar o grupo e tornar a questionar a legitimidade das eleições.

Trump promete ‘transição ordeira’ após Congresso ratificar vitória de Biden

trumpApós o Congresso americano ratificar a vitória de Joe Biden nas eleições presidenciais de novembro na madrugada desta quinta-feira (7), o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que “haverá uma transição ordeira em 20 de janeiro”.

Embora isso represente o fim do maior primeiro mandato da história presidencial, é apenas o começo de nossa luta para tornar a América grande de novo”, afirmou Trump ao reconhecer a derrota para Biden, que tomará posse no dia 20.

A declaração foi publicada pelo porta-voz da Casa Branca, Dan Scavino, e foi feita após apoiadores do presidente invadirem o Capitólio, sede do Congresso americano, e causar a suspensão da sessão. Quatro pessoas morreram durante a invasão, segundo a polícia.