Sacolas de compras que não poluem os oceanos serão vendidas no Japão

Uma empresa com sede no oeste do Japão desenvolveu sacolas de compras que não poluem os oceanos. A Fukusuke Kogyo, da província de Ehime, juntamente com pesquisadores da Universidade de Gunma, desenvolveram sacolas feitas de resinas de cana-de-açúcar e milho. Se as sacolas chegarem ao oceano, bactérias marinhas podem decompor mais de 90% de seu material em 180 dias.

No início desta semana, o governo chinês anunciou nova medida para combater a poluição. O país quer que as maiores cidades fiquem sem sacos de plástico descartável até o fim deste ano. Os sacos de plástico vão ser proibidos nas principais cidades chinesas até o fim de 2020 e, até 2022, a medida vai se estender a todas as cidades e vilas. A China é o maior fabricante de plástico do mundo, produzindo cerca de 29% dos produtos de plástico.

EUA têm primeiro caso de coronavírus

51961691-403Os Estados Unidos confirmaram a primeira infecção por coronavírus, de acordo com informações dos Centros de Controle e Prevanção de Doenças (CDC, sigla em inglês). Quase 300 pessoas apresentaram o vírus na China, com seis mortes devido à doença. Japão, Tailândia, Taiwan e Coreia do Sul também foram afetados.

De acordo com a imprensa americana, um viajante da China foi diagnosticado em Seattle, cidade dos EUA. A identidade está sendo preservada pelas autoridades de saúde do país. O coronavírus causa um tipo de pneumonia que é transmitida de pessoa para pessoa.

A origem do vírus ainda não foi identificada, mas a fonte primária é provavelmente um animal, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). As autoridades chinesas vincularam o surto a um mercado de frutos do mar na cidade chinesa de Wuhan, onde os primeiros casos foram registrados.

Impeachment de Donald Trump começa a ser julgado no Senado

U.S. Republican presidential candidate Donald Trump takes a question during a news conference before a campaign rally in Worcester, MassachusettsO processo de impeachment contra o presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, começa a ser julgado hoje (21) no Senado. Ele é acusado pelos democratas de ter abusado dos privilégios do cargo de presidente, para pressionar o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, a investigar a família de Joe Biden, seu maior rival entre os candidatos democratas às eleições presidenciais de 2020.

Trump teria retido US$ 400 milhões em verbas da área de Defesa, prometidos à Ucrânia, para obrigar Zelenskiy a investigar as atividades de Biden, quando era integrante do Conselho de Administração de uma empresa estatal de gás ucraniana,

Analistas consideram impossível que isso leve à destituição de Trump, já que o Partido Republicano tem maioria no Senado norte-americano. A defesa do presidente norte-americano apresenta seus argumentos a favor da absolvição. Os democratas, por sua vez, vão tentar aprovar a convocação de novas testemunhas.

Bilionários do mundo têm mais riqueza do que 4,6 bilhões de pessoas

populaçãoOs 2.153 bilionários do mundo detêm mais riqueza do que 4,6 bilhões de pessoas, que correspondem a cerca de 60% da população mundial. Os dados constam do novo relatório da organização não governamental Oxfam, Tempo de Cuidar – O trabalho de cuidado mal remunerado e não pago e a crise global da desigualdade, lançado nesse domingo (19), às vésperas do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça.

O estudo aponta que a desigualdade global está em níveis recordes e o número de bilionários dobrou na última década. Segundo o levantamento, o 1% mais rico do mundo detém mais que o dobro da riqueza de 6,9 bilhões de pessoas.

O relatório chama a atenção para o fato de que essa grande desigualdade está baseada em boa medida em um sistema que não valoriza o trabalho de mulheres e meninas, principalmente das que estão na base da pirâmide econômica. De acordo com a organização, no mundo, os homens detêm 50% a mais de riqueza do que as mulheres.

Senado dos EUA recebe processo de impeachment de Trump

ap20016627871925O Senado dos Estados Unidos recebeu formalmente nesta quinta-feira (16) as acusações de impeachment contra o presidente Donald Trump. A cerimônia marcou o início oficial do julgamento que decidirá se o republicano deve ser afastado do poder — algo improvável, uma vez que o partido governista detém a maioria dos senadores.

Apesar da abertura oficial nesta quinta, os passos do julgamento só devem começar na próxima terça-feira (21). Por isso, questões centrais — como se testemunhas vão depor ou não no julgamento — continuam no ar.

Um representante da Câmara, Adam Schiff, leu no Senado os termos da acusação (leia mais abaixo quais são elas). A cerimônia ocorreu um dia depois de a Câmara dos Deputados, de maioria democrata, autorizar o envio do processo aos senadores, encaminhando o início do terceiro julgamento de impeachment de um presidente norte-americano na semana que vem.

2019 foi o segundo ano mais quente de todos os tempos, diz Nasa

calorA década de 2010 foi a mais quente da história, sendo 2016 e 2019 o primeiro e o segundo ano mais quentes de todos os tempos, respectivamente. A informação foi divulgada nesta quarta-feira (15) pelas agencias Nasa e National Oceanographic and Atmospheric Administration (NOAA), que coletaram dados de milhares de estações de pesquisa sobre temperatura em todo o mundo.

De acordo com os pesquisadores, o aquecimento do planeta tem sido causado em grande parte pelas emissões de dióxido de carbono e outros gases de efeito estufa provenientes da queima de combustíveis fósseis. “O registro da temperatura da superfície [da Terra] nos mostra que a última década foi mais de 1º C maior que o final do século 19 e sabemos que isso foi impulsionado pelas atividades humanas”, disse Gavin Schmidt, diretor do Instituto Goddard de Estudos Espaciais da Nasa

Papa Emérito Bento XVI quer que seu nome seja retirado de livro sobre celibato

PAPASO Papa Emérito Bento XVI quer que seu nome seja retirado do livro sobre celibato clerical do cardeal Robert Sarah, informou nesta terça (14) seu secretário pessoal, o arcebispo Georg Gänswein. O arcebispo afirmou à Reuters que, a pedido do pontífice emérito, pediu a Sarah que solicitasse aos editores que retirassem o nome de Bento XVI da capa, introdução e conclusão do livro, que em português se chama “Do Fundo de Nossos Corações”. Na obra, o cardeal defende a manutenção do celibato pelo clero.

Segundo fontes ouvidas por jornais na segunda-feira (13), Bento XVI não é coautor do livro e não teria visto e nem aprovado o livro ou sua capa, e nem assinado a obra. Em uma publicação feita nesta terça-feira (14) no Twitter, o cardeal Sarah disse que, em versões futuras, a autoria do livro não será atribuída a Bento XVI, somente a ele próprio – mas que o conteúdo da obra permanecerá o mesmo.

Papa emérito Bento XVI rompe silêncio sobre celibato após sínodo

PAPASEm um novo livro escrito com um cardeal conservador, o papa emérito Bento XVI defende o celibato do clero da Igreja Católica, o que pareceu ser um apelo calculado para o papa Francisco não mudar as regras. Bento XVI escreveu “Do Fundo de Nossos Corações” com o cardeal Robert Sarah, prelado de Guiné de 74 anos que comanda a Congregação para o Louvor Divino e a Disciplina dos Sacramentos do Vaticano.

Trechos foram publicados no domingo (12) no site do jornal francês “Le Figaro”. O Vaticano não comentou de imediato o livro, que deve ser lançado nesta segunda-feira (13). Em outubro, o documento final de um assembleia de bispos católicos, ou sínodo, sobre a Amazônia propôs que homens casados da região remota possam ser ordenados como padres, o que provocaria uma mudança histórica na disciplina de celibato vigente há séculos na Igreja.

O papa Francisco a cogitará, assim como muitas outras propostas sobre questões que emergiram durante o sínodo, incluindo o meio ambiente e o papel das mulheres, em um documento de sua autoria, conhecido como Exortação Apostólica, que deve ser publicado em poucos meses. Em 2013, quando se tornou o primeiro papa a renunciar em 700 anos, Bento XVI, que mora no Vaticano e está com 92 anos e saúde frágil, prometeu se manter “escondido do mundo”.

Papa Francisco pede diálogo e comedimento em meio a tensões no Oriente Médio

PAPAO Papa Francisco pediu diálogo e comedimento durante missa neste domingo (5), no Vaticano, em meio a tensões que ocorrem no Oriente Médio. Estados Unidos e Irã vivem nova crise desde que um ataque americano matou, na quinta-feira (2), o principal general iraniano, Qassem Soleimani. “Peço a todos os lados que mantenham a chama do diálogo e do comedimento e afastem a sombra da hostilidade”, disse Francisco. “A guerra só traz morte e destruição.”

A tensão entre EUA e Irã se agravou desde a morte do general iraniano Qassem Soleimani, na quinta-feira (2), em um bombardeio aéreo americano em Bagdá, no Iraque. Na sexta (3), o líder supremo iraniano, Ali Khamenei, e o presidente do país, Hassan Rouhani, prometeram vingança pela morte de Soleimani, e o presidente americano, Donald Trump, respondeu também com ameaças.

 Neste domingo (5), o exército iraniano disse duvidar que Trump tivesse coragem de cumprir as ameaças. O ex-ministro da Defesa iraniano e hoje conselheiro militar do líder supremo do país, Hossein Dehghan, afirmou que “a resposta [ao ataque que matou Soleimani] será com certeza militar e contra alvos militares”.

Manifestantes clamam ‘não à guerra contra Irã’ em marchas pelos EUA

2020-01-04t191401z-1857221613-rc279e97wj3r-rtrmadp-3-iraq-security-blast-protestManifestantes reuniram-se neste sábado (4) em Washington, Nova York e outras dezenas de cidades americanas, aos gritos de “Não à guerra com o Irã!”, após o assassinato do general iraniano Qasem Soleimani por ordem do presidente Donald Trump.

Cerca de 200 pessoas se concentraram em frente à Casa Branca, depois que organizações de esquerda convocaram protestos em cerca de 70 cidades, sob os lemas “Retirada americana do Iraque agora!” e “Não à guerra e às sanções contra o Irã!”.