Regularização de CPF pode ser feita pelo site da Receita Federal

RECEITA FEDERALA Receita Federal informou nesta quarta-feira (8) que a regularização do Cadastro de Pessoa Física (CPF) para ter acesso ao programa de auxílio emergencial do governo federal pode ser feita no site do órgão a qualquer hora do dia.

O esclarecimento foi feito após cidadãos terem relatado dificuldades para inserir o número do CPF no aplicativo Caixa – Auxílio Emergencial, que permitirá o cadastramento para receber o valor de R$ 600 para compensar a perda de renda decorrente da pandemia de coronavírus.

Segundo a Receita, o aplicativo tem recebido um grande número de acessos, fato que pode estar dificultando o cadastro dos beneficiários. O órgão orienta que as pessoas continuem tentando realizar o cadastro ao longo do dia caso não seja possível realizá-lo na primeira tentativa.

26,6 milhões já se cadastraram para receber o auxílio emergencial de R$ 600

captura-de-tela-2020-04-07-as-09.15.16Um dia após o início do cadastramento, 26,6 milhões de pessoas já se inscreveram no programa de auxílio emergencial de R$ 600 até às 20h desta quarta-feira (8), segundo informações do governo federal e da Caixa Econômica. Além disso, já foram feitos mais de 217 milhões de acessos aos sites do programa e 22,5 milhões de downloads do aplicativo. As ligações, por sua vez, chegaram a 3,3 milhões.

O auxílio emergencial vai pagar R$ 600 a informais, MEIs, desempregados e contribuintes individuais do INSS durante três meses. Será preciso se enquadrar em uma das condições abaixo: ser titular de pessoa jurídica (Micro Empreendedor Individual, ou MEI); estar inscrito Cadastro Único (CadÚnico) para Programas Sociais do Governo Federal até o último dia dia 20 de março; cumprir o requisito de renda média (renda mensal de até meio salário mínimo por pessoa, e de até 3 salários mínimos por família) até 20 de março de 2020; ser contribuinte individual ou facultativo do Regime Geral de Previdência Social.

Kalil diz que tomou cloroquina para combater Covid-19 e defende uso em pacientes internados

BB12kowjO cardiologista Roberto Kalil Filho, do hospital Sírio Libanês, admitiu que tomou cloroquina durante o tratamento da Covid-19 e defendeu o uso do medicamento em pacientes que estão hospitalizados. As informações são da colunista Mônica Bergamo, do jornal Folha de S.Paulo.

“Tomei a cloroquina com corticóide, antibiótico. Ela é um anti-inflamatório. Se é há uma chance de que o paciente melhore, se pode salvar vidas, tem que ser ministrada”, afirmou o médico à Folha. Segundo Kalil, ainda é preciso esperar o resultado de estudos científicos feitos por instituições sérias como a Fiocruz para saber se a droga efetivamente funciona. “Eles vão dar a resposta definitiva. Mas, se existe alguma chance, temos que começar a usá-la já”, defendeu. Kalil contou também que na semana passada estava tão mal que quase foi entubado e levado à UTI.

22 milhões já se cadastraram para receber o auxílio emergencial de R$ 600

captura-de-tela-2020-04-07-as-09.15.16Um dia após o início do cadastramento, mais de 22 milhões de pessoas já se inscreveram no programa de auxílio emergencial de R$ 600. A informação foi dada pelo presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, em entrevista à GloboNews.

De acordo com o executivo, cerca de 40% dos cadastrados não têm conta em banco. Caso todos sejam elegíveis ao benefício, cerca de 9 milhões terão uma conta gratuita aberta na Caixa Econômica Federal, por meio da qual vão receber os recursos.

Governo federal não pode derrubar decisões de estados e municípios sobre isolamento, decide ministro do STF

STFO ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu nesta quarta-feira (8) que o governo federal não pode derrubar decisões de estados e municípios sobre isolamento social, quarentena, atividades de ensino, restrições ao comércio e à circulação de pessoas.

Pela decisão do ministro, estados e municípios podem estabelecer essas medidas como forma de combate ao avanço do novo coronavírus. O ministro não mencionou um caso específico, mas, nas últimas semanas, o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, manifestaram opiniões diferentes sobre o isolamento.

Alexandre de Moraes tomou a decisão ao analisar uma ação da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). A entidade pediu ao STF que obrigasse o presidente Jair Bolsonaro a respeitar as decisões dos governadores; não interferir no trabalho técnico do Ministério da Saúde; e seguir o protocolo da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Em novo pronunciamento, Bolsonaro pede volta ao trabalho

BOLSONAROO presidente Jair Bolsonaro afirmou na noite desta quarta-feira (8), durante pronunciamento em rede nacional de televisão, que é dos governadores a “responsabilidade exclusiva” das medidas de isolamento social motivadas pela pandemia do coronavírus. Ele disse “ter certeza que a grande maioria” quer voltar a trabalhar e que essa é a orientação dada a todos os ministros, “observadas as normas do Ministério da Saúde”.

“Respeito a autonomia dos governadores e prefeitos. Muitas medidas, de forma restritiva ou não, são de responsabilidade exclusiva dos mesmos. O governo Federal não foi consultado sobre sua amplitude ou duração”, afirmou. Foi o quinto pronunciamento de Bolsonaro na TV sobre a crise do coronavírus

Brasil tem 800 mortes e 15.927 casos confirmados de coronavírus, diz ministério

coronavírusO balanço dos casos de Covid-19 divulgados pelo Ministério da Saúde nesta quarta-feira (8) aponta: 800 mortes, 15.927 casos confirmados e 5% é a taxa de letalidade. Na terça (7), havia 667 mortes e 13.717 casos confirmados. Em relação ao balanço anterior, foram acrescentadas 133 mortes e 2.210 infecções causadas pelo vírus no país.

Após 76 dias, a cidade chinesa de Wuhan, onde surgiu a pandemia do novo coronavírus, teve as últimas severas medidas de confinamento suspensas. Porém, as autoridades permanecem em alerta para evitar uma nova onda de contaminação. O aeroporto local, as estações de trem e rodovias foram reabertas na cidade, que é capital da província de Hubei, na região central da China.

Rio de Janeiro permitirá que municípios sem coronavírus reduzam isolamento

dabd7fa1e9ed026ae62070f8984472d4O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, anunciou ontem (7) que irá permitir a redução das medidas restritivas de circulação em municípios que ainda não têm casos do novo coronavírus. A maior parte deles, localizada no Noroeste do estado. Apesar da redução em alguns locais, o governador afirmou que irá manter as regras de isolamento no estado, que deverão ser prorrogadas até o final do mês.

Witzel irá publicar ainda nesta terça-feira um decreto com a lista das cidades que poderão ter a redução das medidas restritivas. Nesses locais, o comércio poderá funcionar, sem aglomerações. As escolas, no entanto, seguirão sem aulas presenciais. A circulação de pessoas deverá se restringir a própria cidade. A recomendação é que a população não receba visitas de outras localidades e nem circule entre municípios.

Ajuda emergencial não pode ser debitada para quitar dívidas, diz Caixa

CAIXA ECONOMICAO auxílio emergencial de R$ 600 para trabalhadores de baixa renda afetados pela pandemia do novo coronavírus não poderá ser debitado automaticamente caso haja dívidas em atraso e saldo negativo na conta, disse hoje (7) o vice-presidente de Rede de Varejo da Caixa Econômica Federal, Paulo Henrique Angelo. Segundo ele, o alerta recebido no momento do cadastro será cancelado ainda esta noite.

 “Todo crédito que for efetuado em conta corrente, nos bancos, não haverá o débito [automático]. A gente colocou uma mensagem de alerta, quando foi feito o desenvolvimento do aplicativo, para eventuais débitos na conta que pudessem ser descontados. Com a realização e o fechamento de acordo com todos os bancos no Brasil, na atualização [do site e do aplicativo] desta noite nós excluiremos este alerta. Então, amanhã ninguém mais terá esse alerta. Não haverá nenhum débito do valor a ser creditado do benefício”, afirmou Angelo em entrevista coletiva para explicar o pagamento do benefício.

Caixa já recebeu mais de 18,3 milhões de cadastros de interessados no auxílio de R$ 600

A Caixa Econômica Federal já recebeu 18,3 milhões de cadastros de trabalhadores informais interessados no auxílio emergencial de R$ 600. O valor será pago por três meses como forma de mitigar os efeitos da crise do coronavírus. Os cadastros precisam ser feitos por trabalhadores sem registro, microempreendedores individuais e autônomos que não estao no chamado Cadastro Único (CadÚnico), base de dados que reúne 75 milhões de beneficiarios de programas sociais do governo.

O governo espera que esse grupo chegue a 25 milhões de brasileiros “invisíveis”, como vem sendo chamados, por não estarem no CadÚnico. A expectativa do presidente da Caixa é que até 80% desse público esteja cadastrado até o fim desta semana. Especialistas afirmam que a velocidade do pagamento é crucial para amenizar as consequências sociais da crise.